top of page
  • Foto do escritorsitefederacao

FPrJ realiza credenciamento técnico online com mais de 200 participantes


O evento foi conduzido por cinco profissionais das áreas técnica e de arbitragem

Credenciamento Técnico 16 de março de 2021 Por ASCOM I Fotos DIVULGAÇÃO Curitiba – PR

A Federação Paranaense de Judô (FPrJ) realizou o credenciamento técnico desta temporada neste sábado (13) por meio da plataforma Microsoft Teams, reunindo mais de 200 pessoas de forma virtual. Mediado pelo árbitro FIJ A Edilson Hobold, o evento constou de mesa-redonda com cinco especialistas nas áreas técnica e de arbitragem.

O presidente da FPrJ, Luiz Hisashi Iwashita, ao lado de participantes do credenciamento técnico


A abertura do credenciamento ficou por conta do presidente da FPrJ, Luiz Hisashi Iwashita, que agradeceu a presença de todos e apresentou o balanço geral de 2020. “Agradecemos a participação de todos neste importante evento que marca o início da temporada. Neste ano, tivemos a oportunidade de reunir profissionais que são referências em suas respectivas áreas para palestrar acerca de temas relevantes e necessários a todos os técnicos de judô. Esperamos que o próximo credenciamento possa ocorrer da forma tradicional e em segurança depois da vacinação em massa. Até lá, continuaremos não medindo esforços para atender aos judocas paranaenses com segurança e eficácia.” De acordo com o coordenador do departamento de eventos da FPrJ, Carlos Kussumoto, o credenciamento técnico evidenciou as ações que a federação tem realizado para superar as barreiras da quarentena impostas pela covid-19. “Todos nós sabemos o quanto a quarentena não está sendo fácil, ainda mais para os praticantes de uma modalidade que requer tanto contato físico. Os torneios são uma das partes mais emocionantes do judô e não poder realizá-los presencialmente é uma pena. Entretanto, a FPrJ vem superando essa barreira do distanciamento social realizando encontros online com profissionais qualificados, que acrescentam muito ao repertório dos praticantes. Em especial, neste evento, trouxemos referências em cada área para proporcionar o melhor aos judocas paranaenses”, afirmou Kussumoto. O coordenador técnico da FPrJ, Rodrigo Tonietto, destacou que o curso de credenciamento técnico é de fundamental importância para todos os professores e técnicos. “Este evento serve não só para o aprimoramento do seu conhecimento, mas também de seus alunos e atletas. Além disso, desde 2007, determinou-se a obrigatoriedade de participação neste evento para que os judocas possam atuar como técnicos nos campeonatos paranaenses.” 

Conteúdo das palestras

Abrindo a rodada de palestras, o professor Braulio Henrique Magno falou sobre avaliação e prescrição do treinamento para atletas de judô. Magno é doutor em ciências pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP). Além disso, é docente da Unicesumar e trabalha como preparador físico de atletas de modalidades de combate.

Na palestra, foram abordados pontos relativos à avaliação específica para atletas de judô, tais como special judô fitness test (SJFT), judogi chin-up, uchi-komi hikidashi e teste progressivo de uchi-komi. Além disso, com base nos resultados obtidos nos testes, o professor Bráulio discutiu a aplicabilidade dos resultados para o direcionamento do treinamento esportivo dos diferentes atletas. Foram apresentadas também propostas de treinamento aeróbio e anaeróbio a fim de maximizar o desempenho físico dos praticantes.

O Dr. Braulio Magno falou sobre avaliação e prescrição do treinamento para atletas de judô


Em seguida, o professor faixa preta go-dan (5º dan) Ibsen Pettersen ministrou palestra sobre conceitos e metodologias para o ensino do judô na infância. Atualmente, Pettersen é mestrando em educação física na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), tendo como objeto de pesquisa compreender a participação de crianças nas aulas de judô.

O professor apresentou um contexto histórico acerca do judô em suas dimensões de currículo, conteúdo e sistema de ensino, apontando caminhos metodológicos que permitam às crianças protagonizarem sua prática dentro da modalidade, perpassando por caminhos do desenvolvimento cognitivo, físico, técnico e social. Para ele, o professor de judô deve estar atento à evolução dos alunos para mostrar caminhos que permitam viver a modalidade em sua plenitude, de forma não estereotipada.

Atualmente, o professor Ibsen Pettersen tem como objeto de pesquisa compreender a participação de crianças nas aulas de judô


Na sequência, foi apresentado o tema medicina esportiva no acompanhamento de atletas de judô: prevenção, tratamento e reabilitação pelo especialista em medicina do exercício e do esporte Mozart Morais. O palestrante, que também é antropometrista Isak nível 2, atua como médico de atletas em eventos no UFC e diversos outros de MMA e artes marciais. 

“Há uma grande relevância em esclarecer os praticantes sobre a importância da prevenção, tratamento e reabilitação de doenças e lesões. Abordei o uso de suplementos e hormônios, explicando seus riscos e benefícios. Por fim, na minha palestra, ressaltei a importância de exames e do acompanhamento médico ao atleta”, contou Mozart. 

O professor Mozart atua como médico de atletas em eventos no UFC e diversos outros de MMA e artes marciais


O professor Ricardo Brandt é doutor em desempenho esportivo e atuou com atletas da seleção brasileira de vela, ciclismo, remo paralímpico, entre outros. Brandt é também graduando em psicologia e, em seu currículo, consta a publicação de mais de 50 artigos em revistas científicas nacionais e internacionais.

Brandt discorreu sobre os aspectos relacionados à motivação, como a teoria dos estágios de mudança de comportamento, levando os participantes a compreendam a importância da motivação na adesão e aderência da prática do judô. Além disso, falou sobre estratégias cognitivas e comportamentais aos treinadores para que eles possam melhorar a motivação dos praticantes de diferentes idades e níveis esportivos.

Doutor em Desempenho Esportivo, Ricardo Brandt atuou com atletas da seleção brasileira de vela, ciclismo, remo paralímpico, entre outros


Para fechar o credenciamento técnico, o professor kodansha shichi-dan (7º dan) e árbitro que atuará em Tóquio 2020 André Mariano dos Santos falou sobre o trabalho da Federação Internacional de Judô (FIJ) para realizar o maior evento esportivo do mundo. Além disso, discorreu sobre as novas regras da arbitragem do judô.

“Na história do judô brasileiro, eu sou o primeiro árbitro fora do eixo Rio-São Paulo que atuará nos Jogos Olímpicos e o segundo não oriental. Em minha palestra, pretendo ter colaborado não somente com os árbitros que estavam presentes, mas com todos os professores, técnicos e candidatos à graduação superior para que eles possam estar informados das atualizações das regras de arbitragem e formas de trabalho dentro das competições do circuito internacional de judô. Espero que algumas dessas informações possam ser utilizadas posteriormente em eventos regionais, estaduais e nacionais.” 

O professor kodansha shichi-dan (7º dan) André Mariano é, na história do judô brasileiro, o primeiro árbitro fora do eixo Rio-São Paulo que atuará nos Jogos Olímpicos


Premiação das primeiras colocadas no ranking das entidades

As seis entidades que mais inscreveram novos atletas na FPrJ foram anunciadas pela federação e receberam prêmios bastante significativos. As vencedoras foram: Judô Celso Ogawa, em primeiro lugar, seguida por AMCF, Associação Judô Iwashita, Associação Londrinense de Judô, Associação Desportiva Judô Tonietto e Associação Mourãoense de Judô.

A primeira e a segunda colocadas terão isenção das anuidades da FPrJ e da CBJ, além da taxa da licença para promoção de kyus da CBJ em 2021. O terceiro e quarto receberam isenção da anuidade da CBJ e da taxa da licença para promoção de kyus da Confederação Brasileira de Judô em 2021. Já o quinto e o sexto colocados terão isenção da anuidade da CBJ em 2021. 

4 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page